A mulher na oratória do Padre António Vieira e na mundividência barrocapolémica sobre "o gosto de sair"

  1. José Eduardo Franco
  2. María Isabel Morán Cabanas
Revista:
Agália: Publicaçom internacional da Associaçom Galega da Lingua

ISSN: 1130-3557

Ano de publicación: 2007

Número: 89-90

Páxinas: 129-143

Tipo: Artigo

Outras publicacións en: Agália: Publicaçom internacional da Associaçom Galega da Lingua

Resumo

Poucas vezes o estudo dos semões tem sido orientado para obter um maior conhecimento das mentalidades, atitudes e doutrinas e comportamentos que dominam a sociedade de uma época. E ainda são mais raras as ocasiões em que a partir destes textos se foca a figura da mulher, vista e julgda sempre sob um olhar masculino que integra tanto o indivíduo como as instituições detentoras do poder (especialmente a Igreja). Apenas nas últimas décadas se observa uma certa vontade de preencher tal lacuna e de demonstrar a validez da oratória sacra como fonte para a investigação da realidade e representatividade dos valores que dominam um determinado contexto sociopolítico e religioso. Através dos sermões do Padre António Vieira pretendemos contribuir para o estudo da visão da mulher na cultura do Barroco, assente sobretudo num choque de paradigmas herdados da teologia medieval: Eva versus a Virgem Maria, o qual se reflecte na proliferação de antíteses e hipérboles ligadas ao "outro sexo" (como dizia o pregador do século XVII)