Competencias éticas de los consejeros de orientación

  1. Luis Martín Sobrado Fernández
  2. Rebeca García Murias
Revista:
Orientación y sociedad: Revista internacional e interdisciplinaria de orientación vocacional ocupacional

ISSN: 1515-6877

Ano de publicación: 2014

Número: 14

Páxinas: 1

Tipo: Artigo

Exportar: RIS

Indicadores

CIRC

  • Ciencias Sociais: D

Resumo

O objetivo geral deste trabalho é apresentar a análise das competências éticas dos Assessores de Orientação através de uma experiência de um Projeto Europeu sobre formação baseada nas Habilidades TIC: Ferramentas e Formação e cujo propósito principal é alcançar um amplo desenvolvimento profissional para uma extensa comunidade de profissionais da educação e orientação ao largo da vida assim como desenvolver um perfil standard do Assessor da Carreira. Neste artículo apresenta-se o desenho de avaliação e os resultados de um Seminário de 28 horas do currículo formativo para os profissionais da Orientação centrado nas TIC, especialmente no âmbito das suas competências éticas: honestidade, confidencialidade, responsabilidade, respeito, etc. O Seminário piloto realizou-se na Facultad de Ciencias de la Educación de la Universidad de Santiago de Compostela (USC) com assistência de 20 estudantes do Curso Máster de Desenvolvimento de Profissionais da Orientação da Carreira. Como objetivos gerais planearam-se os seguintes: 1. Analisar uma experiência formativa de Orientadores. 2. Avaliar a qualidade formativa dos princípios e processos éticos dos profissionais da Orientação. 3. Apresentar o desenho e resultados de um Seminário sobre o currículo formativo para os Agentes de Orientação centrado nas competências TIC, especialmente em suas relaciones com as de caráter ético. Na metodologia de investigação, a ferramenta principal aplicada é um questionário valorativo com duas partes: Perfil pessoal e profissional e avaliação da ação formativa. Como conclusões mais relevantes, destacou-se a qualidade e a satisfação global dos assistentes ao seminário, a conveniência de ajustar melhor o tempo e as atividades em relação com o número de participantes na planificação da tarefa e as atitudes éticas adequadas: confidencialidade, seguridade, cooperação, honestidade, responsabilidade, justiça social, transparência, respeito pela propriedade intelectual, etc. Como proposta de melhora seria desejável para a estandardização da valoração, tanto como seja possível, do cotejo da avaliação final de cada seminário com o mesmo inicial com o fim de ter elementos de referencia comuns dos seus diversos conteúdos